CONTATO

PARA CONHECER OU COMPRAR MEU LIVRO, "EXÉRCITO NA SEGURANÇA PÚBLICA", ACESSE:
http://www.jurua.com.br/shop_item.asp?id=22065

quarta-feira, 2 de junho de 2010

SER MILITAR, UMA PAIXÃO INEXPLICÁVEL!


Acho a profissão militar  um sacerdócio, que só pode ser bem exercida e compreendida por quem a ela é conduzido por sincera vocação. Os demais, que objetivam a pura ascensão, dizem ser militares e gozam dos seus direitos, mas  nunca exercerão no seu âmago esta distinta profissão. Ser militar é saber abnegar os prazeres da vida em prol de uma profissão sacrificada que submete a constantes e rigorosas provas o caráter dos soldados de Caxias, nas adversidades de sentimentos e nas provocações angustiosas.

Diversas são às vezes que comportamentos discrepantes, conquanto pareçam contraditórios, definem o pundonor militar nas decisões graves dos momentos difíceis. A dignidade, conforme a circunstância, tanto poderá estar presente no se calar como no se expressar, pois a vida é feita de escolhas e eu fiz a minha, entretanto a comunicação não é o que se escreve, mas sim o que se interpreta; por isso, serei o mais elucidativo possível, a fim de não deixar dúvidas sobre os meus propósitos.

Em relação aos meus dois últimos textos (“EU TENHO UM SONHO: CONHECER A MÃO AMIGA!” e “GENERAL, QUAL EXÉRCITO? O DE MARTE?”), recebi 226 (duzentos e vinte e seis) e-mail, dos  quais 205 favoráveis à minha opinião e 21 contrários, e um contato de um correspondente de uma revista semanal que circula em todo o Brasil para que eu concedesse uma entrevista sobre meu caso. A luz amarela acendeu! Não quero ser o salvador da Pátria, não quero ganhar dividendos políticos, não quero ser algoz de superior, não quero ser “justiceiro” e, principalmente, não quero deixar de usar o uniforme verde-oliva!

Fiz graduação, três pós e um mestrado em Direto não foi para deixar as fileiras do Exército, mas pelo contrário, para poder melhor servir à minha Instituição. A minha dissertação de Mestrado em Direito foi sobre o Exército, tenho artigos publicados na Revista do Exército Brasileiro (REB) e na revista do Clube Militar. Meus estudos sempre foram voltados para a Força Terrestre, abrir mão das minhas horas de lazer para estudar por gosto pela profissão, pois sempre soube que jamais receberia um centavo por isto, mas sim mais missões. Servi OITO ANOS no Batalhão Logístico Escola (Rio de Janeiro)  e lá sempre era escalado para fazer as sindicâncias mais complexas, os autos de prisão em flagrante (APF) e os inquéritos policiais militares (IPM), tudo isso paralelo às minhas missões rotineiras. Quando me apresentei no 3º Batalhão Logístico (Bagé-RS), o comandante da época (Ten Cel Andrade) quando leu meu currículo decidiu criar um Núcleo de Assessoria Jurídica (NAJ), nomeando-me chefe do Núcleo, cumulativamente, com a minha função de Comandante de Companhia. O NAJ de Bagé é uma referência, muitos militares de outros quartéis recorrem a ele, e já foi elogiado até pelo Comando Militar do Sul. Criei um e-mail para ajudar os companheiros dos quartéis em assuntos jurídicos. Em menos de um ano, orientei mais de quinhentos militares, entre amigos e desconhecidos, sobre sindicância, IPM, processo administrativo etc.

Posso até ter cometido injustiças quando disse que tinha o sonho de conhecer a mão amiga, mas me referia, exclusivamente, a atual política pessoal do Exército. Na primeira vez que solicitei transferência para Salvador, disseram que meu pai não era da minha família. Na segunda vez, meu processo sumiu, tive de entrar na Justiça pedindo para ficar em Salvador até aparecer meu processo. Informaram ao juiz que o processo estava no Batalhão de Bagé e ele revogou a liminar, mas até hoje o processo não chegou no Batalhão, entretanto não recorri e desisti do processo por achar que a minha recalcitrância em provar que ludibriaram o juiz poderia me prejudicar ainda mais. Sem contar as duas tentativas frustadas de me colocar como desertor (criminoso)! No meio desta minha “turbulência”, conheci a “mão amiga” do coronel Rogério Rozas que, enquanto estive a seu comando, sempre me orientou; general Villas Bôas e o general Lauro que várias vezes me acolheram de forma cordial, amiga e foram solidários aos meus sentimentos de angústia; e o tenente coronel Ely, não só ele, como toda sua família, me trata de forma bastante amigável, orientando-me para que eu procure seguir o caminho menos doloroso, a fim de que eu possa ajudar da melhor forma possível os meus familiares. Estes militares e muitos outros estarão sempre presentes nas minhas preces.

Em Bagé, continuei cumprindo minhas missões e sempre pedindo a DEUS proteção para meus pais. Não levei meus pais para Bagé pelo fato do meu pai ser subtenente da Polícia Militar da Bahia e seu plano de saúde não ter cobertura fora do Estado. Procurei fazer-lhe um outro plano de saúde, mas pela gravidade de seu quadro clínico não tive sucesso; por isso que não pude levar ele, minha mãe e minha irmã comigo. Quando completei dois anos em Bagé – o requisito para fazer o pedido é ter um ano – pedi transferência para Salvador por INTERESSE PRÓPRIO (arcaria com todas as despesas) e foi feita uma sindicância onde comprovei com laudos médicos a situação dos meus pais (minha esposa e filhas já estavam morando com eles em Salvador) e fui negado pela terceira vez. Desculpe meus amigos, longe de mim querer jogar a opinião pública contra o Exército, mas decidi não me calar por entender que deve ter uma explicação para tanto “não”, explicação esta que não conseguir pelas vias administrativas. Quero saber a razão para tanto “descaso”! Como posso abandonar meu pai em cima de uma cama e minha mãe depressiva com recomendações médicas de não poder sair de casa sozinha? Vocês abandonariam seus pais doentes!? Eu não vou abandonar os meus! Além de ser um ensinamento bíblico e um preceito constitucional, amparar os pais é um PRINCÍPIO MILITAR!

Quanto ao general Santa Rosa, doeu na minha alma lê a entrevista dele. Tinha acabado de chegar do psiquiatra com minha mãe, quando li a entrevista, onde ele afirmava que o Comandante Supremo das Forças Armadas – Presidente Lula – queria implantar no Brasil um sistema comunista e totalitário e que é intolerante com opiniões contrárias as suas, ainda disse que a opinião dele é de 95% dos militares do Exército. Nunca ouvi nenhum militar falar isso! Para mim foi a “gota-d’água”. O presidente Lula, em menos de três anos, deu quase 40% de aumento para os militares e está investindo bilhões para restruturar as Forças Armadas. Posso ter sido bastante incisivo nas minhas palavras em relação ao general Santa Rosa, pois pode até ser que ele não tenha conhecimento dos casos que relatei, entretanto ele era o responsável pela política pessoal do Exército, e eu aprendi nas escolas de formação que responsabilidade não se delega. Aos pouquíssimos que me criticam usando-se do ANONIMATO, tenham coragem e façam igual a mim: coloquem a “cara a tapa” para a Nação brasileira! 

Por fim, afirmo que o Exército brasileiro e seus militares merecem todo o respeito e consideração do seu povo, e eu tenho MUITO orgulho de envergar o uniforme da Instituição que goza da maior credibilidade da sociedade brasileira. Freud dizia que o homem não aceita ver um igual pensar diferente, consolo-me nestas palavras e continuo acompanhando o curso do rio em direção ao mar, pois não existe nada melhor que o tempo!


14 comentários:

  1. eu te critiquei quanto a sua postura no texto "por que vejo chifre na cabeça de cavalo" mas sou solidário com o seu sofrimento e luta contra a política atual de pessoal do exército. Colocando - me no seu lugar, posso sentir a sua angústia e desespero! Força irmão!

    ResponderExcluir
  2. Prezado Capitão,

    O senhor foi, é e sempre será um vencedor, nunca se esqueça disso! Deus abençõe você e sua família.

    ResponderExcluir
  3. Soares,

    Parece até que você não conhece o "sistema".
    Quanto mais você luta contra ele, mais ele te massacra.
    Lembra da confusão que eu arrumei com o S4 e o comandante do BLog em 2004 devido a "fatos" com os quais não concordava? Qual foi meu fim: transferência para uma OM a quase 100Km da minha casa.
    No Exército você paga altos preços por discordar de seus superiores, pois eles sempre conhecem fulanos e beltranos que têm o poder de acabar com a sua carreira, e por conseguinte, a estabilidade familiar, financeira e emocional.
    O "sistema" é e sempre será o "sistema".

    ResponderExcluir
  4. É, meu amigo, cada dia me orgulho mais de vc!!!
    Grande beijo!
    Saudades!!!
    Ale

    ResponderExcluir
  5. Caro Capitão,
    Fico feliz em saber que ainda existem oficiais que realmente gostam do que fazem.
    Parabéns pela coragem e tenacidade com que enfrentas aqueles que não são dignos de ostentar o verde oliva.
    Torço para que o senhor continue lutando e que um dia, quando fores coronel, saiba das dificuldades das praças e dos oficiais subalternos e intemediários.
    Um grande abraço e fique com Deus.

    Brasil! Acima de tudo!!

    ResponderExcluir
  6. Esse é o modelo fracassado, hipócrita, mesquinho de certas pessoas que massacram militares responsáveis, coerentes e de caráter.

    Creio que o senhor está coberto de razões e nada, nada deve estar acima do que consideremos direito, pois nada é absoluto em direito.

    Fico pensando, se fazem isso com um capitão imaginem com as praças.

    Estou próximo da liberdade...

    ResponderExcluir
  7. Capitão


    Sou 1º Sgt do Exército e fiquei indignado com a forma como o Exército trata o seu caso, espero q o Sr tenha êxito em sua movimentação e fica uma observação: imagina como os praças são tratados, só em minha unidade aproximadamente uma dezena de sargentos no vim de carreira q são "laranjeiras" pois as respctivas famílias moram longe e não vieram com eles para o RJ, pois foram movimentados contra vontade deles e sem condiçoes de trazer a família.
    Novamente espero q o Sr consiga, um gde abraço, fica com Deus!!!

    ResponderExcluir
  8. Não poderia me esquivar de declarar a minha solidariedade contigo.
    Somos amigos desde o tempos de cadete da AMAN, e quero que saibas que podes contar comigo sempre que necessitar.

    Cap L. Fernando

    ResponderExcluir
  9. Capitão Marinho,
    Não desista nunca e acredite sempre nesse percurso do RIO ao encontro do MAR, pois os dois possuem uma fortaleza tão grande que só vai somar para sua LUTA não parar nunca.
    Abraços e continue escrevendo.

    Dulce Bernardo

    ResponderExcluir
  10. A PERSEGUIÇÃO SE DAR DEVIDO ESSE REGULAMENTO ARCAICO QUE FOGE DA REALIDADE EM QUE VIVEMOS. AQUI EM SERGIPE ESTAMOS VIVENCIANDO FATO IGUAL, ONDE COLEGAS SÃO PERSEGUIDOS PELO COMANDANTE DA PM/SE., SENDO ESSE ORIUNDO DAS FILEIRAS DO EXÉRCITO, CHEGANDO AO PONTO DE NO FINAL DESSE MÊS OS COLEGAS SEREM EXPULSO. É LAMENTÁVEL COMO SOMOS DESTRATADOS POR NOSSOS ´PRÓPRIOS COMPANHEIROS DE CASERNA E NÃO SOMOS RECONHECIDOS PELA SOCIEDADE EM MUITAS VEZES NOS AJUDAR NUMA HORA DESSA, ONDE NOSSO JURAMENTO E DAR-NOS NOSSA VIDA EM PROL DE UMA SOCIEDADE.

    ResponderExcluir
  11. Márcio Alessandro14 de junho de 2010 10:12

    É meu irmão. Ponho-me a imaginar o conflito interno num ser humano a sustentar uma profissão amada em paralelo e contrariando tantas forças opostas a esta permanência, pq o que posso acompanhar é que vc luta contra vultos seculares descendentes do império. Imcompreensível certas posições, até mesmo para quem vê de fora a situação. Mas torço pela sua vitória, sempre, e sei que ela é certa. Desejo poder ver a queda dessa hipocrisia ridícula. Abraços!!!

    ResponderExcluir
  12. Força, caro capitão. Lembre-se que a mão divina está acima de pensamentos mesquinhos e imorais. Seu destino está traçado, e será coroado de felicidades. Abraços fraternos.

    ResponderExcluir
  13. Gosto dos venenos mais lentos, das bebidas mais fortes, dos amores mais loucos, dos pensamentos mais complexos... e dos sentimentos mais intensos!
    Tenho um apetite voraz e os delírios mais doidos.
    Você pode até me empurrar do penhasco e eu vou dizer: E daí? Eu adoro voar...
    Eu não pretendo passar pela vida na ponta dos pés, sem fazer barulho.
    SE AS PESSOAS QUE FALAM MAL DE MIM SOUBESSE O QUE PENSO DELAS, FICARIAM CALADAS.
    Vivo cada dia como se fosse o último e faço tudo com a máxima intensidade e paixão possível.
    Acredito no amor que completa e não naquele que procura impor suas vontades.
    Sou movido pela vontade de ser diferente e não apenas mais um de milhões!

    Porque eu sou o que sou e NINGUÉM irá me MUDAR!

    Ser Militar é nascer Militar
    O verdadeiro soldado não se torna um soldado, ele já nasce soldado
    Atravessar o caos e seguir
    Em direção certa
    Ser militar é viver em prol
    De toda a sociedade
    É ser amigo da verdade
    É fazer e realizar boas ações.
    Ser militar é algo inigualável
    É sonhar acordado
    Trabalhar mesmo dormindo
    Pensando no dia por vir.
    Ser militar é viver intensamente
    Seguindo em frente
    Ajudando os inocentes que desejam viver
    Com alma e coração.
    Ser militar é muito especial
    É viver além do normal
    Correr pela vida
    Ajudar muita gente.
    Ser militar é até difícil descrever
    É muito mais que viver
    É viver duas vezes
    É viver, é viver, e se necessário, até mesmo perecer.

    Peço, não para ser protegido do perigo, mas para não recear enfrenta-lo; peço, não para que minha dor se acalme, mas para que eu tenha coragem de vencê-lo; peço, não para ter aliados nas batalhas da vida, mas sim força de trava-las; não quero suplicar com ânsia apavorada para ser salva, mas espero ter paciência para conquistar minha liberdade. Peço a deus, aos deuses ou a mim mesmo que me conceda a graça de não ser covarde, seguindo da confiança deposito em mim mesmo. Peço para que eu consiga fazer tudo e mais um pouco. que eu faça tudo e seja bem sucedido, mas não apertai minha mão senhor, se eu fracassar...
    ----------
    Meu nome é Lúco Emílio de Vasconcelos Fonseca
    tenho 20 anos. sou um soldado de carne, osso, sangue e alma; compreendo tudo o que você disse acima, mas eu por mim mesmo, por mais que já estive com o objetivo de servir ao EB, eu me dou melhor fora do sistema como disse o Daian, então me vejo mais como um soldado anônimo. logo cairei para a áfrica e oriente-medio afora para salvar vidas de pessoas que sejam viver! e agora vocês me pergutam com quem eu iria ou porque eu iria até o outro lado do mundo lutar uma guerra que não seja minha? 1º: eu iria sozinho pois o único exército que eu preciso sou eu mesmo. 2º: porque eu faço parte deste mundo. Não busco dinheiro. busco apenas minha missão, lutar! Este é meu pagamento; ver o sorriso no rosto das pessoas depois que você faz algo por elas.

    Que os deuses abençoe os SOLDADOS de ALMA, os franco-atiradoes, os mercenários!!!!! e não somente os homens que se dizem soldados apenas por ter uma patente antes do nome.

    e você capt. marinho, de fato você é um soldado de alma. um grande abraço... mas saiba também que o sangue dos heróis está mais próximo de deus do que o conhecimento dos sábios e a pregação dos santos!

    se quiser meu contato para que possamos conversar melhor pois percebo que você é um de nós, segue meu msn:

    engagedforce@usarmy.com

    ResponderExcluir
  14. Guerreiro SP.

    Muitas das palavras que o senhor usou faço uso como se minhas fossem...Mas isso no início de carreira, pois hoje infelizmente o que vejo dentro de minha Corporação é um "pisoteamento" do direito a fim de garantir a amizade de outros oficiais que fazem parte do seleto grupo Maçon. Infelizmente não vejo dentro da Corporação a aplicação da lei e da justiça, pois me graduei em direito pensando em ajudar mas me sinto de mãos atadas dentro da minha própria casa....

    ResponderExcluir